Médicos ligados à indústria ditam regras de conduta

03/02/2011 – 10h57
Médicos ligados à indústria ditam regras de conduta

CLÁUDIA COLLUCCI
DE SÃO PAULO

Médicos brasileiros responsáveis por elaborar diretrizes clínicas possuem conflitos de interesse com os laboratórios farmacêuticos.

Protocolo sobre colesterol no Brasil gera controvérsia
“Médicos patrocinados podem distorcer informação sobre droga”
Sites divulgam quais médicos têm ligação com laboratórios
Ninguém está livre da influência inconsciente nas decisões

Diretrizes são orientações que padronizam a conduta para determinada doença. Feitos por entidades profissionais, esses documentos definem, por exemplo, qual a taxa de colesterol ou o nível de pressão arterial aceitáveis e quais as classes de remédios que devem ser usadas no tratamento dos pacientes.

A Folha pesquisou 11 diretrizes de algumas doenças -hipertensão, obesidade, hepatites B e C, diabetes, artrite reumatoide, tromboembolismo venoso, disfunção erétil, artrose e climatério.

Dos 111 profissionais que fizeram o documento sobre hipertensão, 63 (56,7%) declararam que, nos últimos três anos, fizeram estudos, receberam ajuda, deram palestras ou escreveram textos científicos patrocinados por laboratórios. Dois deles têm também ações da indústria.

A situação se repete na diretriz sobre climatério e doenças cardiovasculares. Dos 33 médicos que a assinam, 16 (48,5%) são patrocinados pela indústria. Dois têm ações de laboratórios.

Na diretriz de disfunção erétil, todos os cinco médicos têm conflitos de interesse.

A questão é polêmica, embora não seja ilegal. Nos EUA, há um movimento médico crescente que considera inaceitável esse tipo de conflito. Apontam que, ao terem ligação com a indústria, os médicos podem favorecê-la prescrevendo mais remédios, minimizando os riscos das drogas ou distorcendo dados sobre a eficácia delas.

O CFM reconhece a situação “conflituosa”, mas diz que não há hoje nenhuma restrição que médicos ligados a indústria participem de consensos. “Não tínhamos pensado nisso, mas é preciso rever essa situação. É difícil adotar diretrizes com pessoas comprometidas com a indústria. Pode perder a credibilidade”, afirma Roberto D’Ávila, presidente do CFM.

O médico Wanderley Marques Bernardo, coordenador do “Projeto Diretrizes”, da AMB (Associação Médica Brasileira), afirma que a diretriz segue uma metodologia rígida e que é baseada em fortes evidências científicas.

Segundo ele, há um grupo isento que faz uma revisão final. “Se houver ainda algum problema ou interesse, seja ele deliberado ou não, a gente corrige”, diz ele.

O cardiologista Jadelson de Andrade, coordenador das diretrizes da SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia), argumenta que médicos de ponta geralmente são chamados pela indústria para participar de estudos e dar consultorias ou palestras.

Para ele, o ideal seria que o governo destinasse uma verba para a produção de diretrizes clínicas formuladas por pessoas isentas de conflitos.

Para Inez Gadelha, coordenadora do departamento de atenção especializada do Ministério da Saúde, “o ideal não existe”. “É muito difícil não ter conflito. Uma coisa eventual, um jantar, uma viagem, não compromete. A questão é o grande conflito.”
Editoria de Arte / Folhapress/Editoria de Arte / Folhapress

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s